segunda-feira, 30 de maio de 2016

APENAS PAREM.


Estou a quase um ano sem escrever aqui, minha última postagem data de junho do ano passado. E isso se deve a vários fatores, dentre eles a falta de inspiração e tempo mesmo. Criei esse blog para escrever quando eu achasse que a situação exigisse palavras escritas, e não somente faladas. Como diz no título "As vezes escrever funciona mais que falar". 


Bom, eu continuo sem tempo, talvez com um pouco mais de inspiração... mas o que me fez voltar aqui foi pura e meramente indignação. O caso da meninas de 16 anos que foi estuprada por mais de 30 caras mexeu muito comigo, e com milhares de outras mulheres, no Brasil e no mundo (sim, o caso já ganhou repercussão internacional - obrigada internet) E eu venho compartilhando muita coisa sobre isso na minha página do Facebook, não só sobre esse caso, mas sobre o estupro em si, sobre a cultura do estupro e sobre a luta das mulheres para que isso acabe. 

Mas eu não tinha escrito nada sobre com as minhas palavras. Até agora. 
Hoje eu acordei, e como de costume, peguei meu celular e fui dar uma olhada no Facebook, ainda na cama. Me deparei com um textão que havia sido compartilhado por uma pessoa da minha rede de contatos, uma mulher, vejam bem... com os seguintes dizeres: "Uma hora a verdade aparece, né mesmo?".  O texto era sobre o caso da menina "estuprada" - sim, com aspas, vocês entenderão já já - pelos mais de 30 caras.  Bom, vamos parar por aqui. Está na moda usar exemplos pra explicar situações, então vamos lá. Venham comigo. Imaginem a seguinte situação: 

Carlos é um rapaz classe média alta, mora em bairro relativamente nobre no rio de janeiro, é um bom rapaz, bom filho, todos gostam muito dele. Ele é universitário, vive da mesada do pai, e adora posar de pegador. Carlos sempre posta foto rodeado de garotas, bebendo em festas, nas redes sociais. Carlos gosta de ir pro baile funk da favela com alguns amigos, pra pegar umas novinhas e ficar "no grau", mas não é sempre não, só as vezes, quando tá animado.Carlos anda com uma galera barra pesada, de quem ele compra umas paradas. No ultimo final de semana Carlos foi pegar geral no baile funk e acabou se metendo com a namorada de um traficante. Carlos não acabou a noite muito bem, Carlos foi espancado até quase morrer por mais de 30 caras da quadrilha do traficante de quem ele pegou a namorada. Foi tudo filmado e jogado na rede, Carlos foi exposto e humilhado. Carlos está na UTI, a policia chegou em tempo de acha-lo com vida. A família está indignada, quer justiça, está dando entrevista em todos os jornais, porque o filho deles não merecia isso. Carlos é um menino bom. A população está revoltada, quer justiça. Afinal, foram mais de 30 contra um. Isso é um absurdo! Ele não tinha como saber que a garota era namorada de traficante...

De quem é a culpa? Seguindo a lógica das pessoas que insistem em dizer que a culpa do estupro foi da garota, a culpa foi do Carlos. Afinal: 

1. Carlos vivia drogado enfiado em baile funk de favela; 
2. Vivia se metendo com mulher dos outros, pegava geral; 
3. Fez um monte de postagem cercado de mulheres, adorava uma farra; 
4. Na noite do ocorrido, Carlos postou que iria pegar geral no baile, os caras que segurassem suas novinhas; 
5. Quem mandou ele sair pra curtir a noite em baile funk? Tava procurando né não? 

A diferença, é que se o caso do Carlos fosse real, nenhuma dessas questões seriam se quer levantadas. E vocês sabem o porquê? Porque Carlos não é mulher, Carlos não foi estuprado. Ninguém precisa justificar o que aconteceu com Carlos. 


O texto que eu li e que me deixou completamente indignada fala exatamente isso. O texto JUSTIFICA, ou pelo menos tenta, a atitude dos 30 caras, usando fatos a respeito da vitima, usando a história de vida dela, usando argumentos patéticos para justificar o injustificável. Não vou divulgar o texto porque não quero dar ibope pra pessoa que escreveu, e porque quem compartilhou retirou logo em seguida, desconheço o motivo... mas vou listar aqui o motivo pelo qual a autora do texto acha um absurdo estarmos tratando o caso como um estupro... segundo ela,  (se diz ter 35 anos, ter sido criada em favela e nem por isso ter se "perdido" como a adolescente violentada): 

1. A adolescente quando tinha 11 anos, postou na sua página de Facebook que "ia pro baile funk dar pra geral". 
2. Aos 13 engravidou de um traficante que foi preso logo depois. 
3. Faz apologia ao tráfico, usa drogas e se beneficia dele. 
4. Posta foto com drogas e lamenta morte de vagabundo.
5. Pediu ao ficante pra chamar a tropa porque ela quer dar pra 50. 
6. Biazinha é famosa na favela, pode perguntar pra qualquer um, sempre deu pra geral. 

Segundo a autora do texto, ainda, a garota agora que está sendo orientada por uma advogada retirou as postagens do Facebook e sustenta o papel de vítima. Tudo está acontecendo porque o vídeo vazou e a adolescente não sabia que seu caso iria tomar essas proporções. Envergonhada, ela resolveu "pagar de vítima" por vergonha da situação toda.


O.K. Vamos por partes. 

VERGONHA DA SITUAÇÃO TODA. 
Ou seja, ela nem se incomodou, o real problema é os pais dela terem descoberto e o Brasil todo ter "visto" ela "dando" pra geral. 
É tão incoerente, que vejam bem, se ela tinha fama e dava pra geral, os pais dela sabiam e com certeza o que os outros pensavam nunca foi uma preocupação.  

Agora, pegar o passado da garota pra usar como justificativa é simplesmente ridículo. 
Se ela dava pra geral, se ela tem fama na favela, se ela foi mãe na adolescência, se ela se drogava, ELA ESTAVA EXERCENDO A LIBERDADE DELA

Certa ou errada, ela ou qualquer outra mulher pode fazer O QUE QUISER com o próprio corpo. 

ISSO NÃO JUSTIFICA ESTUPRO. 

No vídeo, ela está DESACORDADA


Se ela deu pra 10 numa noite como estão falando por ai, ela fez porque quis, porque sentiu vontade, porque isso proporcionou algum prazer e felicidade a ela. 

NÃO EXISTE PRAZER EM SEXO FORÇADO. NINGUÉM FICA FELIZ COM UM ESTUPRO. 

Quantos caras usam drogas e pegam várias numa noite? Participam de orgias, inclusive com outros caras? Isso dá direito de 30 mulheres, ou caras o doparem e usarem o corpo dele como bem entenderem? 

VAMOS PARAR DE HIPOCRISIA. 

Parem de procurar justificativas para atitudes como essa. 

APENAS PAREM. 

E ainda tem gente que acha que não existe cultura do estupro. Os comentários na postagem eram assustadores. A quantidade de mulheres defendendo essa teoria absurda me deixou ainda mais revoltada. 

Só porque ela não seguia o que a sociedade dita como comportamento ideal, ela MERECIA ISSO? 

FAÇAM ME O FAVOR.  

E eu não vou nem entrar no mérito sobre o que pode ter levado ela a ter a vida que levou, porque isso daria outro post e eu realmente não parei pra escrever sobre isso. 

Só queria colocar pra fora a indignação que eu passei o dia guardando. Boa noite.

E obrigada a você que encarou o meu textão e chegou até aqui. 
   


domingo, 21 de junho de 2015

Um pouco de saúde, natureza e TPM.

Hoje acordei cedo e fui caminhar no parque Cesamar, que depois de reformado ficou maravilhoso! Sempre gostei daquele parque, mas as condições precárias em que ele se encontrava sempre me desmotivava a frequentar, e isso não acontecia só comigo, já que o mesmo vivia as moscas. Agora, mal se encontra uma vaga para estacionar mesmo em dias de semana, dependendo do horário em que se vá. 


Como estou numa meta de perda de peso, estou frequentando a academia 3 vezes na semana e caminhando no parque nos outros dias. Hoje pela primeira vez fui fazer minha caminhada pela manhã sozinha, geralmente vou a noite e sempre acompanhada, mas hoje minhas companheiras de exercício não puderam me acompanhar, resolvi ir mesmo assim, a noite talvez não me sentisse segura mas não vi problema em fazer isso pela manhã. 

Coloquei musicas leves para tocar no celular, posicionei meus fones de ouvido e parti pro meu exercício/passeio. A manhã hoje estava linda! O céu estava claro e a água da lagoa (acho que é uma lagoa, ou seriá um lago?) do parque refletia os raios de sol. 
Nessa época o clima é seco e tem muita ventania, geralmente reclamo da poeira e da sujeira que essa época causa, mas hoje me deleitei com a beleza das folhas caindo das árvores e as pequenas ondas que a ventania provocava na água. 

Por estar sozinha e sem ninguém pra conversar, prestei mais atenção em tudo. Nas cores e tipos de árvores, nas pessoas, nos animais. E por falar nas pessoas, que felicidade como nutricionista ver tantas crianças, idosos e adultos caminhando e/ou correndo no parque!!! Ria sozinha da cena, satisfeita, cada um  no seu ritmo, alguns tirando foto, outros conversando, outros sozinhos ouvindo música como eu... 
Também me deparei com as capivaras usufruindo de um banho de sol e um macaquinho travesso que pulou em cima de um grupo de crianças que estavam posando pra foto! 

Em suma foi muito bom. E me fez pensar no quanto sair da correria do dia a dia, desestressar um pouco, sair de casa da frente do pc ou da tv e respirar ar puro faz bem! E de quebra ainda cuidar da saúde! Quantas pessoas me falam que não fazem atividade física porque não tem tempo, dinheiro ou porque odeiam academia? Eu odeio academia, faço aula de dança e nada mais, tentei puxar ferro ( e Deus sabe como eu tentei) mas não é pra mim! No parque tem aparelhos a disposição, fiz uso de alguns e gostei, a céu aberto é outra coisa! E o melhor, não custa nada!

Tá certo que eu estou de TPM e também tem a endorfina (hormônio do prazer) que atividade física faz nosso corpo liberar, provavelmente por isso estava tão sensível e observadora rs rs mas de qualquer forma, acho que é isso que eu queria falar, só pro caso de eu querer voltar a ser sedentária, ler esse texto pode me fazer lembrar o porque de não me permitir fazer isso. 

E pra você que tá tentando incluir atividade física na sua vida, fica a dica! Procure um profissional especializado que possa te orientar quanto a qual atividade você pode fazer, e comece. :) Quem disse que pra emagrecer é preciso sofrer, fazer dietas malucas e perder as coisas boas da vida? 





quinta-feira, 7 de maio de 2015

Mãe, Pai! Tô formada!

Na verdade, mãe, pai, família, amigos e sociedade em geral!!!! ESTOU FORMADA!!!!
E a ficha tá balançando, mas cair mesmo ainda não caiu...
 
Bacharel em Nutrição... logo em breve com meu CRN, serei Nutricionista. E que orgulho disso!
 
Lembro quando fiquei sabendo que o curso de Nutrição tinha acabado de ser incluso na lista dos ofertados pela UFT, fiquei tão empolgada! Ao contrário de algumas colegas,  sempre quis Nutrição. Na verdade, cogitei ser dermatologista, mas quando descobri que eu precisaria fazer medicina e então me especializar em dermatologia (eu tinha uns 16 anos na época) desisti na hora rsrs
 
Nada contra a medicina, mas não é pra mim.
Apesar de ter desistido da ideia, fazer um curso na área da saúde ainda era um sonho, e quando eu conheci a Nutrição, ainda no ensino médio, me apaixonei! Mas também fiquei desiludida por não existir o curso na UFT e até cogitei fazer letras ou pedagogia, porque tenho paixão em dar aula.
 
Mas, assim que acabei meu ensino médio eis que o curso chegou a UFT e eu pude fazer o vestibular! Não passei de primeira, fiquei decepcionada é verdade, mas não desisti do meu sonho e na segunda tentativa ingressei para segunda turma de Nutrição da UFT! E eu não cabia em mim de tanta felicidade!
 
A partir daí foram 5 anos de descobertas, desafios, paixões e tantas experiências maravilhosas que levarei comigo pro resto da vida. Também passei uns perrengues! Eita sistema da UFT que não me ama (ou ama demais)! hahaha já sumi do sistema e quase perdi um semestre inteiro, fui impedida de fazer prova por não existir na lista de alunos matriculados, no dia da minha colação quase não participo do ensaio porque professor não conseguiu lançar nota porque meu nome tinha sumido do sistema outra vez, e por ai vai!!! Deve ser muito amor envolvido e a UFT não querendo que me forme pra eu ficar mais um pouquinho por lá, só pode! kkkk Mas no fim,  Deus tem tudo planejado para nós, e se soubermos ter paciência, nós conseguimos usufruir de tudo de maravilhoso que ele planejou pras nossas vidas e amadurecemos com cada queda.
 
Atrasei meu curso em 1 ano e consequentemente não pude me formar com minha turma, foi um escolha que fiz em ir pro exterior fazer intercâmbio e investir um pouco mais na profissional que pretendo ser. Imaginar voltar e não ter minhas amigo era assustador,  né Sheila Dagostim? Não foi uma escolha fácil, mas eu não me arrependo.
 
Confesso que pensei em colar grau em gabinete, afinal, minhas amigas de caminhada não estariam mais colando grau comigo, qual o sentido de colar grau com desconhecidas? Pessoas que eu não havia compartilhado quase nada? Iria me sentir um peixe fora d'água...
 
E é ai que Deus mais uma vez veio me mostrar que o que ele tinha me reservado era bem maior. Não só tive a oportunidade de finaliza meu curso numa turma maravilhosa, composta de meninas adoráveis e que me receberam de braços abertos e me acolheram como parte da turma (no começo com um pouco de receio, claro, quem é essa doida que acabou de chegar da Alemanha e não para de levantar a mão e fazer pergunta? - sou assim mesmo gente, um pouco nerd mas juro que não sou metida rs) e me fizeram sentir não só vontade de colar grau com elas, mas de me tornar amiga por toda a vida! Muito obrigada por isso meninas.
 
Aula da saudade com direito ao plantio de uma árvore Pau Brasil,
 presente da profa Sônia Lopes pra eternizar nossa turma na UFT.
 
Ainda tive oportunidade de fazer parte da comissão de formatura, o que me aproximou ainda mais das queridas colegas Mallu, Tauane, Nati e Lúcia. Nunca tinha presenciado tanta cumplicidade numa equipe, tudo resolvido democraticamente, com cada uma sabendo a hora de ceder, me emociono em lembrar, e já sinto saudades... A organização desespero define bem essa comissão rs Meninas, uma vez comissão pra sempre comissão hein? Vou levar pra vida a amizade de vocês! Obrigada por tudo!
 

 
 
E por fim, os meus queridos e amados mestres!
Obrigada por todo carinho, paciência e dedicação. O curso não teria chegado onde chegou, não teria se estruturado se não fosse pela garra e amor de cada um de vocês. Com certeza pude ver bem essa mudança, o quanto o nosso colegiado se estruturou, da segunda pra quarta turma de nutrição, já que participei de ambas. Cada um de uma forma ou de outra, deixou sua marca em mim. Tenho orgulho de dizer que aprendi com os melhores! 
 
Queria agradecer em especial a professora Araída que não pode participar das solenidade por motivo de saúde, mas que além de professora é amiga (e agora colega de profissão, difícil vai ser parar de chamar de profa e de senhora né? rs) que foi quem me incentivou a fazer intercâmbio e que sempre acreditou em mim, tenho muito carinho, respeito e admiração. Muito obrigada por tudo! 
 
Obrigada a minha orientadora professora Sandra que me apoiou durante o estagio me fazendo acreditar que eu seria capaz de qualquer coisa que me despusesse a fazer! Muito obrigada professor Guilherme, que me ajudou demais nessa reta final pra que eu pudesse organizar a bagunça que virou minha grade depois do intercâmbio e a resolver outros perrengues pra que eu pudesse formar!
 
 
De coração, obrigada a todos que fizeram parte dessa história.
Minha colação foi linda e emocionante! O dia de ontem ficará marcado pra sempre na minha memória. Espero poder retribuir toda a confiança em mim depositada sendo uma profissional comprometida e apaixonada pelo que faz, carregando com mérito o nome da minha universidade pra onde quer que eu vá.  

E que venham os novos desafios!!