quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Sabe quando você só quer um abraço?


As vezes tudo que se precisa é de um abraço. Daqueles bem apertados sabe?
Aquele em que você encosta no peito e chora, chora até todo aquele peso do seu peito esvair.
Os problemas tem me consumido de uma maneira dolorosa, e tudo que eu mais tenho precisado é um abraço, ou um cafuné, um carinho, ou um colo talvez.

Mas parece que não é assim tão fácil.
Eu queria que você se importasse mais. Ou se já se importa o bastante, que demonstra-se mais. Seu jeito pode até ser de ficar na sua, quando você se machuca e quer ficar sozinho, eu respeito, mas também aprendi a entender quando te dar carinho, quando ficar ali calada, mesmo que não faça nada, apenas por perto. Aprendi que apesar da sua cabeça dura, as vezes é preciso insistir, até você se render.

Só queria ter um pouco disso de volta. Não estou cobrando nem nada, só desabafando que sinto falta. E machuca muito saber que pelos outros você fez e faz isso. Por que comigo tem que ser diferente? Por que eu fico com os restos de atenção? Demonstro não precisar? Desculpa, mas acho que não. Sei tanto sobre você, e você sabe alguma coisa de mim?

Pra você pode não parecer grande coisa, mas pra mim é.
Nunca pensei que chegaria ao ponto de pedir, mas cheguei a esse ponto e me envergonho/entristeço muito com isso. Não vou mais fazer, não quero mais saber. Eu já falei e não mudou muita coisa, não sei se você ao menos deu a devida atenção. Tudo que eu sei é que o mundo, a vida, os relacionamentos, as amizades, tudo é feito de pequenos gestos. Não se pede abraço, se dá abraços.

Nunca tive o hábito de dizer "eu te amo" não fui criada assim. Minha mãe sempre me dizia: "Mil vezes você demonstrar seu amor e respeito por mim minha filha, do que falar que me ama. Palavras são apenas palavras, são vazias."

Deve ser por isso que demonstro mais do que falo, e até hoje quando preciso dizer um "eu te amo" no dia das mães por exemplo, ele vai escrito no cartão, porque a parte falada ela entende com meu olhar e meu abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E você achou que...