quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Livro gay???

Dentre as aquisições que fiz na FLIT (Feira Literária Internacional do Tocantins) um livro que custou apenas sete reais me surpreendeu. É um livro fininho com pouco mais de cem páginas e que eu adorei. 
Mas antes de falar sobre o livro, que eu acabei de ler ontem, vou falar sobre quando fui comprar ele. Vale a pena compartilhar...

Eu estava com  uma amiga passeando pela FLIT e vimos uma das bancas em promoção. A banca era grande e tinha de tudo. Os tais livros em promoção eram de assuntos variados e autores não muito conhecidos. Adoro "cavuncar" nesses lugares, sempre acabo achando alguma coisa muito legal. E dessa vez não foi diferente. 
Me aproximei do amontoado de livros e percebi que havia um casal de pais e um adolescente de uns quinze anos em meio a uma pequena discussão. A senhora era baixa, tinha os cabelos extremamente longos formando uma trança enorme, o homem era grisalho mas ainda sim com aparência jovial. Pelas roupas (e maneira de falar) de ambos, deu pra perceber que eles faziam parte de alguma igreja com crenças bem conservadoras...
Fiz que olhava os livros e ouvi o diálogo entre eles. 
O jovem segurava um livro e parecia perplexo com a reação dos pais em relação ao tema que o mesmo tratava. Pude escutar: 

"Mas pai, eu gostei desse livro e custa apenas sete reais." 

"Eu e sua mãe não estamos de acordo com o assunto que esse  livro trata" - disse o homem."

"Não sei como eles permitem que se publique uma barbaridade dessas" - completou a mulher.

Estava me contorcendo de curiosidade! Do que se tratava o tal livro? Tentei observar a capa e  achar um outro exemplar em meio ao amontoado de livros na minha frente, mas aquele era o único exemplar, talvez o último. Mudei de lugar, fingindo ler a sinopse de um livro qualquer e continuei escutando...

"Esse é um livro como outro qualquer! Adorei o design dele, ele tem imagens coloridas, e os autores são professores renomados! Não vejo problema algum." 

"Esses dois que escreveram esses absurdos devem ser dois gays! Que defendem essa pouca vergonha e querem levar jovens da sua idade a fazerem o mesmo" - o pai falou já nervoso. 

Fiquei perplexa. Passou tudo pela minha cabeça, drogas, sexo explicito, violência...mas homossexualismo?  Todo aquele drama porque o livro tratava de homossexualismo?! Sério mesmo? Em que mundo aquele casal de pais vivia? Em pleno século XXI! 

 "Vamos embora!" - a mulher falou arrancando o livro das mãos do filho e o puxando pelo braço. 

Que dó que fiquei daquele garoto... e daqueles pais...

Bom, mas tenho que agradecer, não fosse o preconceito babaca dos pais desse garoto, eu nunca teria comprado e lido o tal livro "gay". Peguei o livro que a mulher fez questão de jogar em meio aos outros assim que eles se afastaram, li a sinopse e fiquei encantada! Comprei sem pensar duas vezes! 

Vocês já devem estar se matando de curiosidade pra saber o nome do tal livro, né? 

Cartas Marcadas - Uma história entre iguais.
O livro é de Antonio Gil Neto e Edson Gabriel Garcia. 
A maneira em que o texto é escrito, o design dele que tem imagens de colagens feitas por Antonio Gil Neto, o escritor tem essa paixão, e até mesmo o papel usado, encantam. As colagens são lindas e deixam o livro ainda mais encantador. Citações sobre o amor e o dilema que o tema proporciona estão por toda parte e vão desde autores brasileiros como Fernando Pessoa ( que eu particularmente amo) até autores renascentistas. Mitologia grega e romana também fazem parte dessa obra que faz referência a homossexualidade que era fortemente presente nesses povos. 
Vocês devem estar pensando, mas tudo isso em pouco mais de cem páginas? Sim!


A melhor parte é que tudo se encaixa. O livro tem começo meio e fim, como tem que ser. E o final é surpreendente, como a própria sinopse fala "duvido que você consiga antecipar a surpresa deliciosa do final". 

O livro trata dos dilemas enfrentados pelo personagem principal, o Eduardo (Duda) ao receber uma declaração de amor por carta, do seu melhor amigo. Sem saber o que fazer ele começa a se perguntar quem ele realmente é e o que sente. 
É um livro que nos faz pensar, e se colocar no lugar do outro. 
Julgar é fácil, difícil é imaginar como foi pra quele cara homossexual se assumir, descobrir ainda na adolescência que está apaixonado, mas não pela Maria, Bia ou Paula como todos esperavam que fosse, como tinha quer ser perante a sociedade. Como foi pra ele passar por tudo isso sem saber com quem contar...em quem confiar...

Se quando nos apaixonamos ficamos com medo de ser rejeitados por quem amamos e sofremos muito com isso, imagina no caso de um homossexual? Que não sofre apenas com o não de quem ele ama mas com o não da sociedade. 

Sou hétero mas apoio o amor entre iguais. Afinal, o que a sociedade mais precisa agora é de amor, e amor não se descreve, não se julga, não se taxa. Só se sente.   
 

8 comentários:

  1. (1) é, realmente um absurdo isso que os pais desse garoto fizeram, taxando o livro e o proibindo de ser lido!

    (2) me empresta?


    LOL

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post, adoraria ler o livro :D
    Tbm adquiri na FLIT um livro que fala sobre o homossexualismo, bem cômico que eu achei o máximo! Fica aqui minha sugestão tbm: Carta Para Alguém Bem Perto, Fernanda Young.

    ResponderExcluir
  3. Hey Emily,

    Cara, eu vi por um acaso a chamada que você colocou no twitter, e cá estou. A atitude dos pais do garoto incrivelmente não me surpreendem. São idiotas e desnecessárias, mas infelizmente são uma constante.

    Eu li o que você falou sobre o livro, e bah, fiquei com vontade de ler. Você vendeu ele muito bem. Só que em menos de dois minutos já olhei 3 sites, e nenhum deles tem disponivel. hahahhaa Espero não esquecer dele, porque realmente fiquei interessado.

    Linda postagem e postura sua. E sorte mesmo que ainda existe gente idiota no mundo, dai você conseguiu o livro. =D

    []

    ResponderExcluir
  4. Mel, te empresto sim sua linda =)

    Amanda, vamos trocar figurinhas? Depois que a Mel ler eu te empresto o meu e vc me empresta o seu! hehe

    Shade, eu vi disponível na Americanas, mas nem sei se ainda está. Tava vinte um reias.

    ResponderExcluir
  5. Adorei o seu post. =) Vou vir sempre;) Parabéns pelo assunto abordado. Amar é o que importa.

    ResponderExcluir
  6. Que bom que gostou! =)
    Obrigada por curtir a página. Espero que sempre que vc voltar vc goste! hehe
    bj

    ResponderExcluir
  7. Muito bacana o post. Infelizmente, muitos pais negam aos filhos a oportunidade de tomar conhecimento de assuntos referentes a homossexualidade. Impedem a informação com temor de que ela possa tornar os seus filhos homossexuais. Bobagem. Ninguém "se torna" gay porque viu uma história relacionada a temática. Portanto, é inapropriado censurar determinados conteúdos com esta justificativa. Ademais, pelas considerações que você fez sobre o livro, ele parece maravilhoso. Já quero ler. Parabéns pelo texto! Quem acredita no amor, não nega a ninguém o direito de amar. ;-)

    ResponderExcluir

E você achou que...