sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Tudo que eu preciso é de um carro.

Estou aqui puta da vida e com fome. Está chovendo lá fora (e vejam bem, não estou culpando a chuva, amo chuva) e queria muito ir na feira que fica perto aqui de casa comer um pastel de queijo. Mas, como meu meio de transporte é uma moto, nem rola. 

No entanto, o que está me irritando mais, não é isso. É essa sensação incômoda que vive a me importunar. Uma mistura de irritação, decepção e irritabilidade. 

"Não é como se conseguir um carro pra ir na feira aqui do lado fosse algo de outro mundo..."

Pensei inocente. Tadinha de mim...

"Minha irmã logo chega e pode me levar no dela (já que, apesar de ser devidamente habilitada com carteira A/B nunca coloquei as mãos no carro dela, e meu irmão que tirou a dele a menos de uma semana já o fez, mas ok essa frustração fica pra um próximo post)"

Mais uma vez, tola. (Deus deve estar lá de cima rindo e pensando, tadinha dela...)

Minha irmã de fato chegou, e adivinhem que ironia da vida! Chegou com queijo, e alguns temperos da FEIRA! Que legal né mesmo? Ela e meu cunhado... Alguém pensou em ligar? Claro que não! Afinal, a pateta que faz esse tipo de coisa chama-se Bárbara Paixão. 

Obviamente ela não irá voltar lá. Comprou os ingredientes necessários para fazer alguma comida esquisita que ela irá jantar com meu cunhado, com direito a vinho, já que, está chovendo. Os ingredientes irão incluir Azeite de Oliva e Azeitona, que ela adora, e eu, sou alérgica. 

Mas, deixando a minha irmã de lado, voltamos ao dilema do carro. 
Nesse momento você pensa, quem mais poderia me fazer esse favor? 

Namorado?- está na faculdade e nem vai te ver hoje porque precisa estudar pra prova. 
Pai? - está viajando. 
Amigos? - ....

Ok, amigos. E é ai que você toma no cú mais ainda. (desculpem a palavra). Você liga pros amigos e descobre que eles estão fazendo algo muito legal e nem se deram ao trabalho de te convidar, e que claro, nunca se darão ao trabalhar de parar WHATEVER que eles estejam fazendo pra fazer esse favor por você, porque nesse caso, mais uma vez, o nome deles teria que ser Bárbara Paixão. 

Pra ser bem sincera, nem estou grilada com ninguém não. Quer dizer, estou sim, comigo! As pessoas tem as vidas delas, e não tem obrigação nenhuma. Então, sem recentimento. 
Estou zangada comigo, porque EU TAMBÉM TENHO MINHA VIDA, E EU TAMBÉM NÃO SOU OBRIGADA.

Mas continuo sendo a mesma pateta de sempre. Apesar de ter apenas uma moto, sei que tem gente que não tem nada. Tenho amigos que andam de ônibus e faço o possível pra dar carona, as vezes faço duas viagens pra ajudar, nunca cobrei gasolina, e sempre fui assim, mesmo quando nem tinha uma moto de verdade, apenas um projeto de moto. Se bem que a minha atual é melhor, mas num chega a ser "A MOTO"...

São nesses momentos que fico refletindo..."provavelmente essas pessoas que você dá carona hoje, vão ter um carro amanhã e nem vão lembrar de você e do que fez por elas". O que de fato já aconteceu, mas não vou citar nomes...

Só preciso falar algo que tá entalado na garganta desde que tirei minha habilitação, e que vou aproveitar a oportunidade pra falar. Tinha esse carro, um Uno aqui em casa. Meu pai comprou ele pra mim e pros meus irmãos. Como minha irmã mais velha foi a primeira a ter habilitação, só ela usava o carro. 
Eu, pegava nos finais de semana pra treinar, até que tirasse a minha. (que o DETRAN não leia isso hihi) Sou tão boba, que escondido compartilhava os poucos momentos que tinha pra dirigir, e o carro nem era exatamente meu...se meus pais suspeitassem que fazia isso, nem sei... mas sou assim, sabia que a pessoa também estava aprendendo e estava na mesma ansiedade que eu pra aprender. Amigos são pra essas coisas, então, o que custava? 

O final da estória que é o mais engraçado! Por problemas financeiros meu pai acabou vendendo o Uno. Isso, claro assim que tirei a carteira... nem tive oportunidade de dirigir ele sozinha... Lembram da pessoa que dividi minhas poucas horinhas de aprendiz no Uno? Pois é, a pessoa tirou carteira logo depois de mim, a pessoa tem um carro hoje. Claro, que, na minha inocência eu realmente achei que a pessoa iria me deixar dirigir, na verdade achei que no mínimo ela iria lembrar do que fiz por ela. Mas...NÃO. Essa pessoa  teria que se eu, mais uma vez. 

Moral da estória? Continuo aqui com habilitação mas sem nunca ter dirigido, a não ser os carros da alto-escola. 
Só que, tudo bem...Ninguém é obrigado a se arriscar, ninguém é obrigado a nada, nem mesmo eu. E não sinto raiva de ninguém, nem da pessoa em questão, somos amigas, de fato. 

Sinto mesmo é raiva de mim, só de mim. 

Estou juntando um dinheiro pra comprar meu carro, acho que ano que vem eu compro! Se tudo der certo, vai ser isso mesmo! E todas essas coisas só me motivam a trabalhar com esse objetivo. 
\o/

Quando fui pra Paris, via um monte desses nas ruas. Acho lindo demais! 

Ps. Esse post é um desabafo, posso me arrepender de ter escrito isso aqui, algumas coisas que estavam a tanto tempo guardado... mas é pra isso que serve esse blog. Coisas que não falo, pra evitar um briga, pra evitar magoar alguém, acabo escrevendo, só pra não ficar me consumindo. Só isso. 


4 comentários:

  1. gentes do céu que quadra v. mora? hoje não porque to meio indisposto e porque menino lipídios trouxe coisinhas pra gente comer e beber em casa, mas me diga onde v. mora que numa próxima sou super parça pra ir pra feira. deixo dirigir meu palio até, se não se incomodar em dirigir um bagacinho rs.

    ResponderExcluir
  2. Nhow *-* que amor! E nem nos conhecemos a tanto tempo assim! Me sinto honrada com a proposta de dirigir seu "bagacinho" viu? hihi mas fico contente em poder ir na feira e com Lipidius! \o/

    ResponderExcluir
  3. A minha estória é um pouco diferente: tirei minha habilitação lá em Parauapebas e meu pai nunca me deixou nem tocar no carro, eu queria só dar uma voltinha na quadra pra treinar, ele podia até ir junto se quisesse, mas nem ele ia comigo e nem me deixava ir só, eu NUNCA DIRIGI O CARRO DO MEU PAI, NEM DEPOIS QUE A CARTEIRA SAIU. Meu irmão com uma semana de aula prática tá lá pegando o carro dele! A AMADA ESTRADA q ele não emprestava nem pra deus, meu irmão tá pegando. Afff, isso é até bom, pelo menos ele não vai cometer com meu irmão o mesmo erro q ele cometeu comigo. Porque hoje eu tô aq totalmente destreinada, nem sei se ainda sei pegar num carro, porq tem mais de um ano q eu tirei a carteira, e eu só dirigi os carros da auto-escola. Pelo menos não vai acontecer a mesma coisa com meu mano. E quando eu ganhar meu carro Babi, vamo na feira toda sexta comer pastel!

    ResponderExcluir
  4. Gente, que vibe deprê tem atingido TODOS os blogueiros palmenses, hein? Primeiro, sou solidária a todo mundo que sofre sem carro - morei nove anos longe da família sem um, então sei como é terrível (e olha que não tinha moto, então a crise nem era só em dias de chuva). Segundo, eventualmente a gente sempre se sente largada pelos amigos - e sim, nós os culpamos, admitir isso não te faz uma pessoa ruim, só te torna normal.
    Espero que hoje, dia claro e sem chuva, você esteja bem.

    ResponderExcluir

E você achou que...