sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Friends?


Soneto do amigo

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...

                               Vinicius de Moraes

Me julgam boba, inocente, ingênua, e outras coisas mais, no que diz respeito as pessoas. Mas sei que não sou. Já fui um dia, e admito. A vida me calejou muito e  me fez entender que preciso me defender, que há sim verdadeiros amigos e há também pessoas que se dizem ser. Não é difícil conquistar minha amizade. Porém, se você a perder não será tão fácil reconquistar. Dou muito valor aos meus amigos, dou a cara a tapa por eles, mas quando eles me decepcionam, fico sem chão. Perder um amigo é uma dor muito cruel, quase que insuportável, mas faz você crescer, amadurecer e aprender a se defender, é verdade. Não gosto de guardar rancor, sei perdoar, e faço. Mas faço mesmo, não finjo que faço. No entanto, devo deixar uma coisa bem clara, não é porque eu perdoei que eu esqueci. Não odeio, não guardo rancor, me sinto leve. Mas confiar como antes? Isso não, eu não confio. Se tem uma coisa que faço nessa vida é aprender, e as lições são dadas a cada dia, cabe a nós interpretá-las. Não dá pra ser como antes, nunca será, mas é possível tentar. E manter o coração aberto pra essa tentativa é o que nos faz diferentes, o que ME FAZ DIFERENTE. 
Um amigo que não sabe perdoar o erro do outro amigo, nunca foi amigo de verdade. Pode demorar, mas acontece. Quando a amizade é verdadeira, acontece. Me julguem boba, me julguem ingênua e até mesmo inocente. Não me importo. A minha resposta é a minha felicidade, o coração leve, sem ressentimentos. Nunca conheci ou se quer ouvi falar em alguém que tenha vivido feliz com ódio, magoa, rancor, guardados no peito.E se você conhece, desculpa, mas essa pessoa finge muito bem. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

E você achou que...