domingo, 11 de março de 2012

She is her mind.

Há grandes chances desse post nem fazer sentido, mas vamos lá. 
Estou com coisas rondando na minha cabeça e sinceramente não sei se vou conseguir colocar isso em palavras, ao mesmo tempo que necessito colocar porque está me sufocando. 
Será em terceira pessoa, porque é justamente assim que aparece em minha mente. Agora que já sabem, os perdoarei se quiserem desistir daqui. 

Pois bem, lá vai... 

"Ela se sentia confusa em relação a muitas coisas. Sempre fora decidida, é verdade. Mas agora não se sentia tão segura e decidida assim... A pior parte era não saber o porquê. Se sentia sufocar dentro de quatro paredes que ela mesma criara em volta dela, um mundo todo dela em que existia apenas imaginação. A imaginação dela. 
A imaginação as vezes muito boa com ela, as vezes má. Má porque acabava por fazer com que criasse expectativas, expectativas demais... 

E expectativas estão diretamente ligadas a decepção. Principalmente se elas forem colocadas em pessoas, existe algo mais decepcionante que o ser humano?

Não. 

E ela sabia, sempre soube. Mas deixava a imaginação brincar com ela, com seus sentimentos, fazê-la de boba pra depois titubear pelas costas assim que chegava a primeira frustração. E sempre, SEMPRE acontecia. Era frequente. 

E ela aprendia? Claro que não. 
A imaginação sempre estava um passo a frente dela. Sempre fugaz. 
Quando tentava fugir, lá estava ela, envolta em pensamentos em que tudo era perfeito. Em que as pessoas eram perfeitas, em que ela própria era perfeita. 
Em que tudo o que ela queria acontecia, exatamente como gostava e planejara. Como em uma novela com script pronto, esperando o sucesso já garantido. 

Infelizmente o script nunca era seguido, a novela era a vida real e os atores, bom, os atores faziam o que bem entendiam. 

Ela continua vivendo e sofrendo, afinal o que pode ela fazer?? Exigir que as pessoas sigam o script da sua imaginação? Reclamar direitos que nunca teve e nunca terá?? Precisa se conformar, pois enquanto ela permitir que a imaginação brinque com ela e enquanto exigir demais das pessoas e não entender que elas são como são ela nunca conseguirá um final feliz na novela da sua vida."

Se você chegou até aqui, obrigada. 
Ou você realmente não tinha mais o que fazer, ou ficou curioso pra saber tamanha era minha maluquice em plena madrugada. Há também a possibilidade de você ser uma pessoa amiga... 

De qualquer maneira, foi bom colocar pra fora. 
Sinta-se a vontade pra reclamar e me chamar de maluca, afinal, se chegou até aqui, você tem muito, esse direito. 


3 comentários:

  1. porra, você é maluca. BRINKS.

    dá cá um abraço e relaxa que tudo vai ficar bem, sempre fica...

    ResponderExcluir
  2. Sabe como as vezes o mundo parece que vai desabar sobre nossas cabeças? Pois é. De novo, não foi dessa vez. As coisas se ajeitam, sempre foi assim, sempre vai ser desse jeito. Lembra disso, ok? Bjos.

    ResponderExcluir

E você achou que...